Resinas e a Resina de poliester

Resinas e a Resina de poliéster!

A Resina

é um composto orgânico derivado do petróleo, que passa de seu estado líquido para o estado sólido, através de um processo químico chamado “Polimerização”.

Os tipos de Resinas

Resina Poliéster Ortoftálica (Mais comum e de uso generalizado);

Resina Poliéster Isoftálica (Aplicada em moldes feitos de Fibras de Vidro, em tubulações e piscinas);

Resina Poliéster Isoftálica com NPG – (Alta Cristalinidade e boa Flexibilidade – Resistente a temperaturas elevadas, água natural e à manchas);

Resina ÉsterVinílica (Possui alta resistência química e mecânica (impactos), usada na fabricação de equipamentos de fibras de vidro para o combate a corrosão);

Resina Epoxi (peças estruturais e principalmente em revestimentos para proteção química e de intempéries).

Classes de Resinas

No Brasil, as principais classes de resinas utilizadas são:

Acrílica: Utilizadas em vernizes para pintura original e repintura de automóveis.

Poliester: Utilizadas em basecoats automotivos.

Alquídica: Resinas de baixo custo e baixa resistência química

Melamina-Formaldeído: Utilizadas em sistemas de cura em estufa (120-180°C), em conjunto com outras resinas hidroxiladas, como alquídicas e acrílicas.

Epóxi: utilizadas em aplicações industriais, com excelentes propriedades físicas e químicas (exemplo: adesão)

Resina de poliester

As fibras de vidro são usadas para reforçar vários tipos de plásticos.
Porém, na grande maioria dos casos, os plásticos usados como matriz para compósitos de Fiberglass são feitos com resinas poliéster insaturadas.

Essas resinas são muito usadas em compósitos moldados por contato porque elas são fáceis de ser transformadas em plástico.

As resinas poliéster insaturadas são processadas no estado líquido e curam (isto é, transformam em plástico) à temperatura ambiente em moldes simples e baratos.

A cura à temperatura ambiente e sem exigir moldes caros é muito importante, porque viabiliza a produção em pequena escala de peças grandes e complexas.

Resina de poliester – usos variados

RESINAS COLORIDAS PARA BIJOUTERIAS:
– 1Kb de Resina pré-acelerada Am 190 .
– 100ml de Monomero.
– 5 a 10% de Pigmento em Pasta ou líquido .
Antes de despejar nos moldes adicionar de 1 a 1,5% de Catalizador Aerojet .

CORANTE LÍQUIDO PARA VITRAIS:
– 10g de Pigmento em Pó Macrolex.
– 1 litro de Monomero de Estireno.
Misturar bem o Pigmento em Pó com o Monomero de Estireno. Usar de 1 a 5% em Resinas de Poliester.

MASSA PLÁSTICA (Para uso imediato):
– Resina Am 313.
– Monomero de Estireno.
– Talco Industrial.
– Catalizador Aerosec.
Exemplo: 1Kg de Resina, 200g de Monomero de Estireno, Talco à vontade (provavelmente 2Kg), até atingir a consistência ideal para a sua aplicação.
Retire a quantidade à ser usada e adicione o Catalizador.

Obs: Para cada 100g de massa adicione 20 gotas de Catalizador.

fontes: aerojet   /   wikipedia

Resinas: dúvidas & respostas

A resina ou endurecedor provoca alergia? O que devemos usar para proteção?

É recomendado que sejam utilizados equipamentos de proteção, como luvas, máscaras, óculos e aventais.
Dependendo do grau de sensibilidade de cada pessoa, pode provocar reações alérgicas.

Caso esteja resinando e sentir uma leve coceira nas costas das mãos, por exemplo, limpe o local com um papel absorvente e imediatamente lave intensamente o local água e sabão.

A vida toda eu sempre usei este produto e hoje não está endurecendo. Por que ?

Muitas vezes desleixamos na medida. Recomendamos sempre usar balanças “preferencialmente”.

Caso sua escolha for usar medidas através de “volume” evite usar medidas pela metade, exemplo:

Imagine uma proporção 2:1 e sua medida é um copinho de café.

Use sempre 2 copinhos para 1 copinho, e jamais 1 copinho para meio copinho ( que também é 2:1) mas este meio copinho na concepção de uma pessoa pode ser um pouquinho mais para cima, para outra pessoa, um pouquinho mais para baixo…. saindo fora da proporção.

O uso de uma seringa ( sem agulhas) para fazer a medida pode ser uma alternativa barata, contudo use uma seringa para resina e outra para o endurecedor.

O que pode ser utilizado para efetuar a limpeza?

Com um papel absorvente ( papel toalha ou papel higi ênico) deve-se inicialmente retirar todo o excesso de produto possível, somente depois termine a limpeza com um solvente como thinner ou álcool.

Após o endurecimento podemos empilhar as peças ou embalar?

Não, após o período recomendado para o endurecimento, devemos retirar as peças da mesa de resinagem e esperar por 24 horas, para depois manuseá-las (empilhar ou embalar).

Por que aparecem bolhas na mistura? Como eliminá-las?

As bolhas aparecem devido ao atrito ocorrido durante a mistura. Podemos eliminá-las

Por que não aquecer o Endurecedor?
Evite aquecer o endurecedor , pois por ser mais sensível pode afetar suas propriedades finais, prejudicando as propriedades finais.

Por que numa mesma aplicação, umas peças endurecem e outras não?

Isto pode ocorrer devido a homogeneização mal feita da mistura, ou seja o endurecedor tem que ser bem incorporado à resina ou vice versa .

Por que às vezes aparece uma névoa branca na superfície da peça?

Porque a mistura é sensível à umidade relativa do ar (higroscópica).
Em dias chuvosos e frios isto pode ser salientado.
Para evitar deve-se observar a temperatura da mesa de resinagem que deve ser de no mínimo de 45 oC a no máximo 50 oC.

Uma outra possibilidade é que foi utilizado para mistura o mesmo recipiente da mistura anterior, e a mistura anterior pode contaminar a mistura atual, pois elas possuem tempo de reação diferente.
Para evitar use sempre copos descartáveis e sempre um novo para cada mistura.

Colocando mais endurecedor na resina, o produto seca (cura) mais rápido?

Não muitas vezes isto pode ocasionar defeitos na peça, a dosagem deve ser respeitada, preservando assim o seu trabalho com excelentes resultados. Jamais mude a proporção recomendada .

Pode-se deixar as peças ao sol para promover o endurecimento?

Não, submeter a sua peça aos raios UV do Sol somente provocará o seu envelhecimento precoce (amarelecimento).

De preferência para uso de estufas a 45 a 50 Celsius, além do mais você terá uniformidade de produção durante todo o ano.

Por que às vezes na resinagem, a etiqueta mancha com o contato da mistura, principalmente a cor vermelha?

Quando a impress ão é por serigrafia, prestar atenção para o tipo de tinta a ser utilizada.
Recomendamos usar tinta serigr áfica bi-componente.
Se a impressão for feita através de Impressora, as recomendadas são:
Epson jato de tinta e Impressora a Laser (os cartuchos devem ser originais).

Se mesmo utilizando todo o material recomendado, a etiqueta manchar com a resina, o que fazer?

Aplicar na etiqueta um verniz spray de secagem r ápida para proteger a tinta da mistura.

Outra possibilidade é o substrato ou seja o papel adesivo não ser apropriado para aquela tinta, ou ainda a tinta não ter resistência química. Evite usar cartuchos remanufaturados.

Por que às vezes, a resina penetra por baixo da etiqueta?

Isto ocorre devido a má colagem da etiqueta na superfície do metal, ocasionando brechas por onde a resina encontra um caminho para penetrar por baixo da etiqueta.

Por que quando estamos resinando, a mistura endurece antes de terminarmos o trabalho, perdendo o produto?

Provavelmente foi preparada uma grande quantidade de mistura.
Quanto maior o volume, mais rápido será o seu endurecimento, ocasionando muitas vezes, perda de material.

Caso tenha que preparar uma quantidade maior prefira espalhar a mistura em uma bandeja a deixar concentrada em um copo, isto aumenta o tempo de uso da mistura.

Qual o rendimento da resina sobre a peça?

aproximado de 0,2g da mistura por cm2

Fonte: https://www.fazfacil.com.br/artesanato/resinas-poliester-epoxi/

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência no nosso site.